Quais os principais riscos empresariais que podem ser evitados?

Negócios
20/07/2017

Por: Milena

Por mais que o gestor seja cuidadoso na tomada de decisões, determinadas situações estão fora de seu controle, podendo acarretar prejuízos à organização. No entanto, mesmo que a existência desses riscos empresariais seja um fato, a contratação de um seguro pode minimizar suas consequências.

 

Quer descobrir como? Quer entender quais são os principais riscos empresariais que um empreendimento pode evitar? Então, continue a leitura deste post. Vamos analisar as principais ameaças que uma gestão pode encontrar e apontar a melhor alternativa para evitá-las.

 

Principais riscos empresariais

A própria definição da palavra risco mostra que esse tipo de acontecimento é incerto e sua ocorrência não depende da vontade dos interessados. Isso significa que, mesmo que sua empresa trabalhe de forma organizada, dentro de um planejamento, esses imprevistos podem surpreender os gestores.

 

Existem riscos inerentes à atuação de um empreendimento, como as incertezas do mercado e do setor em que a empresa atua e o ambiente macroeconômico. Para evitar essas situações, a organização deve seguir todo um processo de gerenciamento.

 

Porém, há outras situações que um gestor não pode prever e, entre elas, estão os principais riscos empresariais. Quer conhecê-los e preparar sua empresa para lidar com eles?

 

1. Ameaças ao patrimônio

Seja a sua empresa pequena ou uma companhia de grande porte, é fundamental ter cuidado com o patrimônio. Prejuízos decorrentes de perdas nessa área podem comprometer a saúde financeira ou até mesmo o funcionamento e a sobrevivência da organização.

 

No Brasil, a contratação de um seguro que cubra prejuízos em caso de incêndio é obrigatória para as empresas. Sem essa cobertura, o empreendimento está sujeito a multas ou pode ser impedido de funcionar.

 

Além desse seguro obrigatório, há outras apólices que preveem o ressarcimento em caso de outros eventos externos, sendo que os principais são:

  • roubos ou furtos;
  • despesas fixas emergenciais;
  • incêndios, danos elétricos e acidentes com a frota da empresa;
  • ressarcimento em caso de perda provocada por vandalismo;
  • danos decorrentes de catástrofes naturais.

Embora não sejam obrigatórios, esses seguros garantem uma tranquilidade maior para o empreendimento e seus colaboradores.

 

2. Problemas envolvendo responsabilidades civis

O Seguro de Responsabilidade Civil é importantíssimo para quem presta serviços para terceiros. Um exemplo são as empresas que trabalham em eventos, ocasiões esporádicas, com equipes que atuam nas dependências dos clientes ou utilizam maquinários de terceiros.

 

Basicamente, esse contrato prevê o ressarcimento para danos causados ao patrimônio de terceiros, sejam clientes ou outros. A seguradora reembolsa despesas de reparo e os valores gastos nesse processo.

 

3. Acidentes de trabalho

O Seguro de Acidente do Trabalho (SAT) é uma obrigatoriedade que as empresas devem cumprir. Sua função é garantir uma reparação financeira ao funcionário, caso ocorra um acidente de trabalho.

 

Vale lembrar que, de acordo com a definição legal, são considerados também acidentes de trabalho:

  • doenças profissionais ou do trabalho, que tenham sido produzidas ou desencadeadas a partir das atividades exercidas pelo funcionário no exercício de sua função;
  • acidentes típicos relacionados ao exercício do trabalho ou que ocorreram quando o funcionário estava a serviço da empresa;
  • acidentes ocorridos no trajeto entre o local de residência e o trabalho, desde que em distância e tempo compatíveis com esse percurso.

A lei entende ainda que, quando o funcionário sofre esses acidentes, ele tem uma redução em suas possibilidades de obter os mesmos rendimentos. É possível que o acidentado tenha sequelas permanentes, que comprometam sua funcionalidade e a capacidade de trabalho.

 

Portanto, seguros que preveem essa situação e provêm os meios necessários para dar a assistência não são só obrigatórios, mas também muito importantes para as empresas.

 

4. Ameaças à segurança de dados

Atualmente, é fundamental que as organizações conscientizem seus colaboradores para que adotem um comportamento digital seguro e invistam na proteção com antivírus e firewalls.

 

Porém, mesmo com todos os cuidados, é possível que as organizações enfrentem ataques cibernéticos e outras ameaças aos dados coletados e armazenados em suas operações.

 

A vulnerabilidade é tão séria que o Brasil é o país que mais sofre ataques dessa natureza na América Latina. No mundo, ele aparece em 9° lugar. Entre os problemas causados por ciberataques, podemos destacar:

  • ameaça de inclusão de vírus;
  • danos causados por interrupção do sistema;
  • divulgação de informações pessoais ou corporativas confidenciais.

Outra situação que pode acontecer é a divulgação não autorizada de informações pessoais e sigilosas sob sua custódia. Geralmente, eles ocorrem quando a empresa ou os seus provedores de serviços cometem erros e omissões, causando grandes transtornos.

 

Por isso, algumas seguradoras já começaram a comercializar seguros com o objetivo de proteger as empresas contra ameaças cibernéticas. A proteção para riscos digitais prevê o resguardo financeiro à organização vitimada pelo problema, inclusive com medidas protetivas em casos de investigações formais e inquéritos.

 

5. Outros riscos

As seguradoras oferecem ainda soluções para outras necessidades das empresas. Elas podem contratar seguros de saúde e odontológicos para seus funcionários, seguros de vida em grupo, de previdência empresarial e até mesmo para garantir o capital de giro em momentos de vulnerabilidade financeira causada por um acidente.

 

A importância do seguro na prevenção aos riscos empresariais

Como podemos perceber, nem sempre as empresas conseguirão evitar alguns desses riscos.

 

Embora ela tome medidas que estão ao seu alcance, como contratação de serviços e equipamentos de vigilância, investimentos em segurança digital, compra de material de proteção e orientação aos funcionários, os sinistros podem acontecer.

 

Assim como essas medidas que mencionamos, a contratação de um seguro não tem como impedir que os sinistros aconteçam. No entanto, trata-se de uma decisão importantíssima para minimizar as consequências e permitir a continuidade do negócio.

 

Além da assistência que uma boa seguradora proporciona — o que é essencial para uma organização em um momento de crise — o seguro provê os recursos necessários para solucionar essas situações sem comprometer a saúde financeira da companhia.

 

Acompanhamento e assistência a funcionários acidentados, reposição dos bens furtados ou ressarcimento financeiro, provimento de recursos diante de eventuais processos relacionados à responsabilidade civil podem parecer desnecessários quando tudo está bem.

 

No entanto, esses benefícios são indispensáveis em momentos de crise e podem ser cruciais para a sobrevivência de uma empresa diante de um sinistro.

 

Entendeu quais são os principais riscos empresariais? Sua empresa já enfrentou alguma dessas situações? Ainda tem dúvidas sobre os benefícios de um seguro nessas circunstâncias? Então confira o artigo que separamos especialmente para você:

 

Cadastre-se e receba nosso conteúdo exclusivo