O que fazer em casos de sinistro no seguro empresarial patrimonial?

Negócios
8/08/2018

Por: Milena

Você foi cuidadoso e tomou todas as precauções, mas aquele dia temido chegou. Uma situação desagradável e inesperada, a que chamamos sinistro, ocorreu, colocando em risco o seu patrimônio ou da sua empresa… Como pessoa prevenida que é, você fez um seguro empresarial patrimonial, certo?

Em caso de resposta positiva, o dito prejuízo será coberto pela sua apólice! Neste texto, vamos explicar o que é um sinistro, como eles se caracterizam, como fazer para acionar o seguro em caso de sinistro e quais são os direitos de quem contrata esse tipo de cobertura. Confira!

O que, afinal, é um sinistro?

O nome não é dos mais agradáveis, mas o conceito tem o seu lado bom. Dizemos que ocorre um sinistro quando se dá qualquer evento que tenha cobertura prevista no seguro contratado.

Portanto, o sinistro tem um lado melhor do que outro problema qualquer que possa acontecer com alguém ou com seu patrimônio: ele é reembolsado parcial ou integralmente pela seguradora.

Para definir se um sinistro representa uma perda parcial ou integral, as empresas de seguros usam um critério objetivo: o valor do conserto ou reforma do bem. Se ele for menor do que 75%, define-se a perda como parcial. Se for maior ou igual a 75%, então o dano é integral.

Como agir em caso de sinistro?

Numa situação de ocorrência de sinistro, o segurado deve tomar algumas providências indispensáveis, tais como comunicar imediatamente às autoridades (Corpo de Bombeiros, Polícia ou Defesa Civil, dependendo da ocorrência) e entrar em contato com a seguradora, por meio de sua central do atendimento, e com o seu corretor.

Cada comunicação é respondida com orientações sobre como proceder para dar andamento ao processo. Por isso, se o seu seguro é empresarial, é importante garantir que a seus funcionários estejam devidamente orientados para agir, em caso de necessidade.

Nesse momento, uma das principais providências consiste na verificação da apólice. Nela, devem estar descritos os procedimentos necessários para receber a indenização do seguro, conhecida na área de seguros como liquidação de sinistros, inclusive com a lista de documentos que precisam ser apresentados para ativar cada tipo de cobertura.

Esse rol de documentos é encaminhado para a empresa de seguros acompanhado de uma descrição detalhada dos bens perdidos e dos prejuízos sofridos. Na relação de todos os itens sinistrados, constam informações como quantidade, modelo e valor estimado para reaver o perdido.

Qual o procedimento para agilizar a análise da seguradora?

Com a ocorrência do sinistro, o melhor para todos é que a ocorrência seja apurada da forma mais transparente, verdadeira e rápida possível. Uma vistoria bem-feita é a garantia de se receber o valor devido de modo veloz e sem maiores burocracias.

No caso das empresas, essa preocupação diminui a eventual perda de produtividade provocada pelo sinistro. Para iniciar o processo, facilite o acesso do representante da seguradora à cena do acidente e preste todas as informações solicitadas, inclusive entregando os documentos pertinentes.

Se houver necessidade de medidas policiais ou judiciais para esclarecer o dano, o segurado deve colaborar. O dono da apólice precisa se esforçar para preservar o cenário em que houve o dano e facilitar a vistoria, só iniciando qualquer reconstrução ou reforma apenas após devida aprovação.

Em caso de notificações judiciais, extrajudiciais ou administrativas, a seguradora deve ser comunicada para as devidas providências, além de Informar a existência de quaisquer outros seguros relacionados aos mesmos riscos.

O segurado não deve em hipótese modificar ou permitir que haja a modificação do bem com o qual o sinistro ocorreu. As únicas possibilidades em que isso é aconselhável são a ordem expressa de uma autoridade constituída ou a necessidade de preservar o objeto de maiores danos.

Quais são os documentos necessários?

Essa listagem varia muito de acordo com o tipo de seguro, mas é importante, desde o primeiro momento, que a empresa tenha à mão documentos essenciais como o contrato social, o CNPJ, números e cópias dos documentos dos sócios etc.

Para dar dimensão aos prejuízos, são pedidos itens diversos como laudos, orçamentos para reparo, comprovantes de despesas, boletim de ocorrência, entre outros. Cabe ao segurado, também, zelar para que os prejuízos não piorem e proteger os bens que não foram atingidos pelo sinistro.

É possível perder o direito à indenização?

Sim. Há situações em que a seguradora deixa de ter a obrigação para o contratante. Isso normalmente ocorre quando o sinistro acontece claramente por culpa ou má intenção do proprietário ou beneficiário do seguro, inclusive por meio de reclamação fraudulenta ou de má fé.

Como garantia, a empresa segurada deve evitar providenciar qualquer conserto ou mesmo a reposição dos bens antes que ocorra a vistoria. Essa etapa é fundamental para se estabelecer o tamanho e o alcance do dano.

Também é recomendado que a empresa não abandone os objetos e outros tipos de patrimônio: eles precisam ser devidamente protegidos. Se houver indenização, pertencerão à seguradora.

Acontece com alguma frequência que a seguradora, após o pagamento da indenização, entre na Justiça para solicitar o ressarcimento dos prejuízos junto a outras empresas ou pessoas, responsáveis ou causadores do sinistro, se for o caso.

Quanto tempo leva para receber?

O pagamento por um sinistro normalmente leva até 30 dias corridos, que começam a contar a partir da data em que o último documento exigido é entregue. Em caso de dúvida com fundamento, novos documentos podem ser solicitados e a contagem do prazo é congelada, com retomada somente após o atendimento das exigências.

O valor da indenização é calculado com base na regra descrita na apólice, com atualização Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Caso considere conveniente, a empresa seguradora pode exigir atestados ou certidões oficiais, além de solicitar o resultado de inquéritos, com o objetivo de estabelecer a real dimensão do dano e da indenização necessária.

Vimos no texto que o sinistro é um tipo de acidente coberto pelo seguro e que, quando esse tipo de situação ocorre, é fundamental saber como proceder e quais são seus direitos e deveres.

Para garantir que um processo tão cheio de detalhes ocorra da melhor maneira possível, é importante poder contar com uma empresa de confiança para adquirir o seu seguro empresarial patrimonial. Se você tem interesse em saber mais sobre essa proteção, entre em contato com a Pulso Seguros. Teremos prazer em ajudá-lo!

Cadastre-se e receba nosso conteúdo exclusivo